Melasma: entenda as causas dessas manchas na pele e sua relação com a gravidez

19 de abril de 2021

As manchas escuras, de cor amarronzada, que recobrem partes do rosto, sobretudo testa e bochechas, estão entre as queixas mais comuns nos consultórios dermatológicos. Segundo pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp), a estimativa é de que o melasma acometa de 15% a 35% das mulheres brasileiras. 

O melasma tem uma incidência maior no sexo feminino e as gestantes apresentam uma predisposição maior devido às alterações hormonais, mas pode ocorrer também em homens. É mais frequente em pessoas com peles mais morenas ou negras, pois elas possuem uma produção maior de melanina (pigmento).

“O Melasma é considerado uma doença crônica multifatorial, ou seja, pode ser causada por diversas condições, tais como exposição solar, ou a lâmpadas de celulares e computadores, hormônios ( uso de anticoncepcionais orais), alterações inflamatórias ( tudo o que possa causar agressão: depilação, tanto com cera ou linha, uso de cremes ou ácidos sem orientação médica) e fatores genéticos”, alerta a dermatologista Daniela Righi, da Clínica Leger.

As causas que levam a pele a apresentar essas condições, no entanto, são um desafio para os médicos, já que são complexas e de difícil contenção. O que se sabe até agora é que determinados fatores desencadeiam a hiperpigmentação, o que ajuda a mapear as possíveis origens do problema para que se encontre a melhor forma de contornar a situação.

O melasma não tem cura definitiva e, por isso, é preciso ficar sempre atenta e cuidar para evitar que ocorra. “A rotina de cuidados deve fazer parte do dia a dia e controle do melasma. É importante frisar que ele não tem cura, podendo apresentar episódios de melhora e piora dependendo dos cuidados”, reforça a dermatologista.

Porém, é possível prevenir e disfarçar as manchas. Daniela adverte que, “na escolha dos melhores dermocosméticos é importante um filtro solar que além da proteção UVA e UVB ( radiação solar), também ofereça proteção IV ( Infravermelho, que é o calor, já que as temperaturas elevadas também ativam os melanócitos) e proteção contra luz visível ( lâmpadas , celulares e computadores) que embora tenham uma influência menor, também causam manchas”.

Hoje em dia, os filtros solares também podem conter associação com antioxidantes e clareadores. Segundo a dermatologista, é muito importante ressaltar que os filtros com cor oferecem uma proteção maior por serem filtros físicos. Entre os clareadores e antioxidantes mais conhecidos é possível citar a vitamina C, o ácido tranexâmico, o alfa arbutin, entre diversos outros que atuam em diferentes etapas, seja prevenindo a formação de novo pigmento ou atuando na destruição do pigmento já formado.

 

Melasma na gravidez

 

– Muitos dizem que o melasma tem relação com a gravidez. Isso é verdade ou apenas mito?

Dra. Daniela Righi: As gestantes apresentam uma predisposição maior à ocorrência de melasma devido às flutuações hormonais. Por outro lado, o melasma gravídico pode desaparecer em alguns casos, após o final da gestação, sem necessidade de tratamento. Mesmo assim, todos os cuidados de prevenção e não exposição solar devem ser observados. Os tratamentos nas gestantes e lactantes também devem ser diferenciados, já que algumas substâncias utilizadas, como o ácido retinóico, devem ser evitadas. Os peelings químicos também estão proibidos durante a gestação.

 – O estado emocional também pode contribuir para o aparecimento das manchas?

Dra. Daniela Righi: Sim. E isso ocorre porque a tensão constante ocasiona um estresse oxidativo em nosso organismo, o que prejudica o corpo como um todo. Não à toa, os antioxidantes fazem parte do tratamento.

– Quais atitudes do dia a dia podem fazer com que o melasma piore?

Dra. Daniela Righi: Sem dúvida a exposição ao sol e ao calor, principalmente sem proteção. Isso porque a luz ultravioleta estimula os melanócitos, células que produzem a melanina, pigmento que dá cor à pele. Além disso, a exposição solar é responsável pela reincidência do melasma. Vale ressaltar que não se deve fazer tratamento para melasma sem a orientação do dermatologista. Na tentativa de resolver este incômodo, você pode acabar encontrando vários outros.

 – Quais locais do corpo que costumam apresentar manchas escuras na gravidez e por que?

Dra. Daniela Righi: Na gravidez, é comum o surgimento de manchas escuras em áreas da face como testa e bochechas, mas outras áreas também podem escurecer, como mamilos, axilas, virilha, manchas prévias e também uma linha no abdome ( linha nigra), que desaparece  alguns meses após a gestação. 

 – Durante a gestação, tem algum tratamento para amenizar as manchas? 

Dra. Daniela Righi: Durante a gestação, deve ser orientado principalmente o uso de filtro solar, de preferência físico (com cor), a cada 3 horas, e não exposição aos fatores que causam Melasma, como já orientado previamente. Algumas substâncias devem ser evitadas durante a gestação, como a hidroquinona e o ácido retinóico. Os peelings químicos também estão proibidos durante a gestação.

 – Após o nascimento do bebê, as manchas somem totalmente? Quanto tempo depois isso acontece? 

Dra. Daniela Righi: Em alguns casos o Melasma gestacional pode desaparecer totalmente em torno de 3 a 6 meses, podendo não desaparecer completamente e necessitando tratamento específico.

 

*Com informações da Assessoria de Comunicação Dra. Daniela Righi/Clínica Leger.

Tags

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.