Depressão

Mãe, como cuidar da sua saúde mental? 1024 184 Carol
Blog_dia_do_psicologo

Mãe, como cuidar da sua saúde mental?

Mente e emoções são partes integrantes da nossa saúde tão essenciais à vida e tão impactantes em nossa realidade quanto o nosso corpo.  Falar em saúde mental não pode ser algo cercado de medos e preconceitos, pois essa deve ser uma das nossas prioridades todos os dias. Trazendo para a maternidade então, não precisamos e nem podemos cuidar dos outros sem cuidar de nós mesmas. E esse entendimento é um passo decisivo na busca do equilíbrio emocional tão importante nessa fase da mulher.

Os ciclos que envolvem a maternidade são acompanhados de experiências intensas e de grandes transformações sendo comum que a mulher fique mais sensível e vulnerável e assim precise de uma rede de apoio. O que ocorre é que muitas vezes as mães não sabem e não falam sobre essas dificuldades e têm medo de admitirem que precisam de apoio ao nível psicológico, mental, emocional, por receio de serem julgadas, consideradas incapazes de cuidar de seus filhos e de lidar com a maternidade. Muitas sofrem caladas.

É necessário mudar isso. E a informação é grande aliada nesse processo. Por isso, conversamos com a psicóloga e arteterapeuta especializada em perinatalidade e parentalidade, Erika Novaes, e trouxemos alguns pontos que merecem uma reflexão e podem ajudar as mamães a deixarem o medo de lado e manterem-se mentalmente sadias.


MQA: O QUE AS MÃES PRECISAM SABER SOBRE SAÚDE MENTAL E OS PRINCIPAIS CUIDADOS PARA O EQUILÍBRIO EMOCIONAL?

ERIKA NOVAES: O ciclo gravídico puerperal (gestação, parto e puerpério – [período de 6 a 8 semanas pós-parto durante o qual o corpo retorna ao estado pré-gravidez]), é uma fase delicada da vida da mulher à medida que física e psiquicamente, o processo de gestar, parir e cuidar de um bebê pode tratar-se de experiência intensa e de grandes transformações. Não é incomum que a mulher se sinta mais sensível e fique mais vulnerável. Seu corpo está mudando, os papéis sociais mudam, e a vida toda pode ser que seja resignificada. Por conta deste estado de vulnerabilidade, inconstância e desconhecimento, é que pode ser importante, e bastante benéfico que a gestante possa participar de grupos de gestantes, grupos terapêuticos, pré-natal psicológico, ou psicoterapia individual, no sentido de se permitir um encontro consigo mesma e com todas as mudanças psíquicas pelas quais está passando e ainda irá passar no puerpério.

Em algumas situações, mais que outras, é necessário que se preste mais atenção à possíveis sintomas, como por exemplo, se a gestante tem um histórico de depressão, transtorno de ansiedade, ou qualquer transtorno psiquiátrico. Nestes casos, a importância de um acompanhamento psicológico pode ser ainda mais importante.

É necessário que as mulheres saibam e falem sobre a solidão do puerpério e da maternidade, para que possam antecipar-se e tentar, na medida de suas possibilidades, criar uma rede de apoio em seu entorno.  Ter com quem contar também pode ajudar a manter-se mentalmente sadia.

 

MQA: A PSICOLOGIA FALA EM NASCIMENTO PSÍQUICO DA MÃE, QUE PODE ACONTECER EM MOMENTOS DIFERENTES. O QUE É E COMO ENTENDER ESSE NASCIMENTO?

ERIKA NOVAES: O nascimento psíquico de uma mãe acontece no momento em que ela deseja a maternidade e, mais que isso, no momento em que ela deseja aquele filho que espera e gera em seu ventre. Pode ocorrer de uma mulher gestar, parir e uma mãe nascer apenas depois do convívio com o filho. Isso não a torna, necessariamente, menos apta. Ela pode tornar-se mãe a partir da ideia de engravidar, durante a gestação, no nascimento, ou pode ser que, naquela gestação específica esse nascimento simplesmente não aconteça. É importante que isso seja dito, a partir do pensamento de que vivemos em uma sociedade que ainda acredita que exista um instinto materno capaz de nos fazer amar a priori e incondicionalmente nossos filhos, sem levar em conta a subjetividade de cada mulher, suas realidades e o próprio contingente cultural no qual estamos inseridos.


MQA: A QUE SE REFERE O TERMO “BABY BLUES” E QUAL A SUA RELAÇÃO COM A DEPRESSÃO PÓS-PARTO?

ERIKA NOVAES: Baby blues e depressão pós-parto são coisas completamente diferentes, apesar de parecerem iguais em muitos aspectos. Baby blues ou tristeza materna é um estado de melancolia no qual a grande maioria das mulheres se encontra durante parte do puerpério. Não é doença, é funcional e faz parte do processo de se haver com todas as transformações decorrentes da maternidade, e com os lutos que se faz ao parir um bebê (pela perda da barriga, pela perda do filho que se imaginava e que nunca vem igual ao que se idealizava, pela perda do papel de filha, dentre outros). Isso sem levar em conta, também, as questões hormonais.

Depressão pós-parto, por sua vez, se trata de uma depressão desencadeada por algum processo ligado ao gestar e parir/cuidar e que se dá no puerpério. É um quadro que necessita atenção, que pode requerer tratamento psiquiátrico e acompanhamento psicológico.

 

MQA: E O QUE DIZER SOBRE A AFIRMAÇÃO DE QUE “MÃE PRECISA DE COLO”?

ERIKA NOVAES: Qualquer afirmação quando se fala em maternidade, não me soa muito bem. No entanto, parece ser quase um fato consumado que mãe precisa sim de colo. Se pensarmos na maternidade como uma experiência de ruptura, do papel de filha, do corpo de antes da gestação, do filho ideal e do ideal de mãe que se tinha antes de tornar-se mãe… Ou seja, se pensarmos na maternidade como uma vivência na qual nada fica no lugar de antes, e que, por isso a mulher se encontra em um estado de vulnerabilidade psíquica, dar apoio a ela, ofertando não apenas colo, mas ouvidos empáticos e, efetivamente, ajuda prática, as chances de ela desenvolver qualquer transtorno psíquico cai, ela se sentirá, provavelmente, mais feliz e mais confiante, e uma mãe feliz e confiante, tende a desempenhar a função materna de maneira mais interessante. E quem ajuda, pode sentir-se envolto a uma experiência muito transformadora. Todos saem ganhando.


Sobre a entrevistada:

Erika S. de Novaes (CRP. 06/102892) –  nucleoanima@gmail.com
Psicóloga e arteterapeuta formada pela Universidade Paulista (UNIP), é especializada em perinatalidade e parentalidade pelo Instituto Gerar de Psicologia Perinatal e Parental.  Atua na área clínica com atendimento a gestantes, casais e puérperas, e coordenando grupos terapêuticos e oficinas criativas. Educadora perinatal pelo Gama (Grupo de Apoio a Maternidade Ativa), ministra aulas em cursos de formação e oficinas, e coordena grupos terapêuticos para profissionais do parto e doulas, além da atuação com doulagem de parto propriamente dita.

Depressão Pós-Parto 1024 184 admin
depressão pós-parto

Depressão Pós-Parto

26,3% das brasileiras sofrem de depressão pós-parto

A pesquisadora Mariza Theme da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (Ensp), é responsável por um inédito estudo no Brasil. Segundo seus dados, 26,3% das brasileiras sofrem de depressão pós-parto. O que representa pouco mais de ¼ das mulheres.

O Estudo

23.896 mamães foram entrevistadas entre 6 e 18 meses após parirem suas crianças. Os resultados foram publicados na edição de abril da revista Journal of Affective Disorders. A importância desse estudo é dada por ser o primeiro relativo ao assunto. Da mesma forma, assim como a própria depressão comum, a pessoa pode sofrer em silêncio, ter tendências suicidas e até pensar em matar a criança.

Todas as pessoas submetidas a esta última pesquisa foram colocadas segundo a Escala Edimburgo de Depressão Pós-Parto. A escala tem 10 perguntas com 4 respostas possíveis. Cada resposta equivale uma pontuação de 0 a 3. Ao final há a soma para chegar ao resultado. Para este estudo, as mulheres que pontuaram 13 ou mais pontos demonstram ter algum indício de depressão. O questionário está ao final da matéria.

Grupo de risco

Como a maioria das doenças, a depressão pós-parto também possui seu grupo de risco que podem contribuir para um quadro negativo:

  • Mulheres mestiças de baixa condição socioeconômica
  • Hábitos não saudáveis
  • Antecedência de problemas mentais
  • Vários partos
  • Gravidez não planejada 

Lembrando que essas são somente as mulheres que têm maiores chances de desenvolver a doença, não significa que vão necessariamente desenvolvê-la. Ou seja,  tampouco mulheres fora do grupo de risco estão imunes. Pode acontecer com qualquer uma.

A pesquisadora responsável afirma que não há investigação específica para a doença nas rotinas do SUS. A situação poderia melhorar muito com novas políticas públicas, repensando a maneira de diagnosticar e tratar.

Muitos casos de depressão já começam na gravidez e o manual pré-natal do Ministério da Saúde diz que o profissional de saúde deve atentar-se a questões físicas e emocionais. Porém, não há uma estruturação disso de fato. Isso pode acarretar atrasos no desenvolvimento psicomotor e neurocognitivo da criança.

Em nota, o Ministério afirma:

Nossos manuais e protocolos contêm orientações sobre o acompanhamento pré-natal e puerperal. Eles determinam quais sinais e sintomas devem chamar a atenção da equipe para quadros de sofrimento mental ou emocional, incluindo a depressão.

Pacientes com quadros graves ou com resposta insatisfatória ao tratamento são encaminhadas para serviços especializados. O Brasil conseguiu reduzir em 6,4% o número de atendimentos em depressão pós-parto no SUS nos últimos dois anos, passando de 421 atendimentos em 2014 para 394 no ano seguinte.

Vamos ficar de olho e esperar que mais estudos e pesquisas como essa sejam feitos visando à ampliação do conhecimento e fim exclusivo de melhorar a saúde de nossas gestantes.
Dúvidas e sugestões? Deixe um comentário aqui na #Mama

Questionário sobre Depressão Pós-Parto

Você tem sido capaz de rir e achar graça das coisas?

  1. Como sempre fez.
    1. Não tanto quanto antes.
    2. Sem dúvida, menos que antes.
    3. De jeito nenhum.

Você sente prazer quando pensa no que pode acontecer em seu dia-a-dia?

  1. Como sempre sentiu.
    1. Talvez menos do que antes.
    2. Com certeza menos.
    3. De jeito nenhum.

Você tem se culpado sem necessidade quando as coisas saem erradas?

  1. Não, nenhuma vez.
    1. Não muitas vezes.
    2. Sim, algumas vezes.
    3. Sim, na maioria das vezes.

Você tem se sentido ansiosa ou preocupada sem uma boa razão?

  1. Não, de maneira alguma.
    1. Pouquíssimas vezes.
    2. Sim, algumas vezes.
    3. Sim, muitas vezes.

Você tem se sentido assustada ou em pânico sem um bom motivo?

  1. Não, nenhuma vez.
    1. Não muitas vezes.
    2. Sim, algumas vezes.
    3. Sim, muitas vezes.

Você tem se sentido incapaz de lidar com as tarefas e acontecimentos do seu dia-a-dia?

  1. Não. Eu consigo lidar com eles tão bem quanto antes.
    1. Não. Na maioria das vezes consigo lidar com eles.
    2. Sim. Algumas vezes não consigo lidar bem como antes.
    3. Sim. Na maioria das vezes não consigo lidar bem com eles.

Você tem se sentido tão infeliz que tem tido dificuldade de dormir?

  1. Não, nenhuma vez.
    1. Não muitas vezes.
    2. Sim, algumas vezes.
    3. Sim, na maioria das vezes.

Você tem se sentido triste ou arrasada?

  1. Não, de jeito nenhum.
    1. Não muitas vezes.
    2. Sim, muitas vezes.
    3. Sim, na maioria das vezes.

Você tem se sentido tão infeliz que tem chorado?

  1. Não, nenhuma vez.
    1. De vez em quando.
    2. Sim, muitas vezes.
    3. Sim, quase todo o tempo.

A ideia de fazer mal a você mesma passou pela sua cabeça?

0. Nenhuma vez.
1. Pouquíssimas vezes, ultimamente.
2. Algumas vezes nos últimos dias.
3. Sim, muitas vezes, ultimamente.