Entenda mais sobre o melasma: as manchas escuras da pele

19 de janeiro de 2018

Também conhecido como cloasma, o Melasma é um distúrbio na pigmentação da pele onde a área atingida escurece, deixando manchas. Ele não é maléfico, ao contrário do que alguns podem pensar. Entretanto, devido à parte estética que a condição mexe, os consultórios dermatológicos acabam sendo bastante procurados para resolver o problema.

Daí pode aparecer a 1ª decepção: o melasma não tem cura. O tratamento é paliativo e visa disfarçar e amenizar a aparência das manchas, que normalmente aparecem pelo rosto. Elas são da cor marrom, mas a intensidade pode variar muito de um caso pra outro. Suas formas também não possuem padrão.

Mas como o Melasma ocorre?

Para responder esta pergunta é preciso entender um pouco mais da nossa pele, do nosso corpo. Você já deve ter ouvido falar que a nossa pigmentação é feita através da substância melanina. Além da coloração, a principal função dela é a proteção contra os raios solares. Ela é produzida por uma célula chamada melanócito, que fica na epiderme, parte mais superficial de nossa pele.

O melasma surge na hiperproliferação do melanócito; a produção de melanina aumenta junto com a da célula. O acúmulo de melanina fica retido dentro da pele, gerando as manchas. Essa anomalia crônica não tem origem certa, mas sabe-se que a alta de melanócitos é estimulada pelo sol e calor, sendo um ponto de atenção em sua prevenção. Além disso, alterações bruscas de hormônios como a menopausa, a gravidez e o uso de contraceptivos também são fatores que parecem estar relacionados com o melasma.

Aqui a gente chega a mais uma peculiaridade da condição: de cada 10 casos, 9 são em mulheres. Outras possíveis causas são a poluição das cidades e fatores genéticos, mas isso ainda está sendo estudado. Quando a questão é o melasma, poucas coisas são conclusivas.

Pessoas em grupo de risco:

  • Mulheres em sua idade reprodutiva e gestantes;
  • Mulheres que usam contraceptivos orais;
  • Moradoras de cidades quentes e/ou muito poluídas.

Normalmente o diagnóstico é feito pela própria pessoa ao observar as alterações em sua pele. Porém, a certeza absoluta vem na consulta com o dermatologista. Este profissional tem um instrumento chamado Lâmpada de Wood capaz de detectar alterações no pigmento da pele. Através desse instrumento, o dermatologista pode dizer se se trata de um melasma dérmico (parte mais interna) ou epidémico (parte mais externa da pele).

Uma vez dado o diagnóstico, normalmente temos 3 opções de tratamento:

  1. Cremes clareadores (a mais comum);
  2. Peeling;
  3. Laser (último caso).

Não importa o método usado; é preciso ter em mente que os resultados demoram pra aparecer, sendo que a mancha em si não sairá 100%. Como citamos, ela é inofensiva. Mas se por acaso houver formigamento, coceira, dor ou qualquer outra coisa na região, o dermatologista deve saber imediatamente, já que não são sintomas do Melasma.

Aliás, O Mãe Que Ama tem super dicas de prevenção ao Melasma. Preste atenção porque elas também valem pro Melanoma (câncer de pele):

  • Usar protetor solar todos os dias, independente do clima;
  • Mulheres em idade fértil devem optar por métodos contraceptivos não hormonais;
  • Mulheres na menopausa devem evitar terapias de reposição hormonal;
  • Alimentação adequada rica em alimentos antioxidantes ajuda a prevenir diversas doenças, inclusive melhora a proteção natural da pele contra os raios solares;
  • Deve-se sempre remover a maquiagem antes de dormir. Embora não haja provas de que a maquiagem, em si, possa contribuir para o aparecimento do melasma, a remoção adequada dos restos antes de dormir previne o envelhecimento precoce e outros problemas de pele;
  • Manter-se longe de fontes de calor como churrasqueiras, fogão, saunas, automóveis expostos ao sol, entre outros, para evitar a estimulação da produção de melanina;
  • Utilizar proteções físicas, como chapéus e guarda-sol;
  • Ao perceber uma primeira mancha, deve-se ir ao dermatologista o mais rápido possível, para investigar e definir um tratamento.

Continue conosco para mais dicas e informações sobre a sua saúde!

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.