Diabetes Gestacional – entenda melhor essa condição

5 de julho de 2016

A hiperglicemia é o aumento dos níveis de glicose (açúcar) no sangue. Quando acontece pela primeira vez durante a gestação é chamada de Diabetes Gestacional. Entre 4% e 7% das gestantes a desenvolvem. Como você sabe, são várias as mudanças físicas e hormonais que ocorrem durante esse período. Uma delas é o aumento do hormônio lactogênio placentário que pode, eventualmente, bloquear a ação da insulina materna.

Normalmente, isso não é um problema, porque o corpo compensa a irregularidade fabricando mais insulina. Porém, algumas mulheres não conseguem fazer essa correção e desenvolvem as elevações glicêmicas da diabetes.

Quando a diabetes Gestacional é identificada?

A Diabetes Gestacional aparece durante a segunda metade da gestação e raramente causa sintomas. Para detectá-la é preciso fazer exames durante toda a gravidez. Coisas de rotina como glicemia de jejum, curva glicêmica e hemoglobina glicada são exemplos de testes que você pode fazer. Embora qualquer mulher possa desenvolvê-la, algumas são mais propensas que outras.

Veja os fatores de risco:

  • Idade superior a 25 anos
  • Histórico familiar de diabetes
  • Diabetes gestacional anterior
  • Bebês de gestações anteriores que nasceram com mais de 4 kg
  • Gestação anterior com bebê natimorto inexplicável
  • Tolerância à glicose diminuída ou glicemia de jejum alterada 
  • Aumento do líquido amniótico
  • Excesso de peso antes da gravidez
  • Ganho excessivo de peso na gravidez
  • Raças negra, hispânica, indígena ou asiática.

Diagnóstico Positivo

Em caso de diagnóstico positivo, seu médico verificará sua pressão arterial sempre e você terá de fazer alguns testes para acompanhar sua saúde e a de seu bebê.  Portanto, após o parto, seu nível de açúcar no sangue será verificado várias vezes no dia e nas semanas após o nascimento.

Desse mesmo modo, durante a gravidez, você vai ter que verificar o nível de açúcar no sangue 5 vezes ao dia para ter certeza que está tudo ok. A dieta, como já conhecido pelos diabéticos, vai ter que mudar.

Ela terá que ser o mais saudável possível, com muitas frutas, legumes e grãos integrais; os carboidratos grandemente refinados – doces, por exemplo – devem ser limitados. Uma dica é procurar um nutricionista e/ou um endocrinologista para criar um plano de refeições em longo prazo baseado em seu peso, nível de açúcar, hábito de atividades físicas e orçamento entre outros itens.

Falando em atividade física, ela tem papel fundamental antes, durante e após a gestação, pois ela reduz o açúcar no sangue. Caso tudo isso não seja suficiente, então será necessário tomar injeções de insulina para controlar a glicose. Se você fizer todo esse acompanhamento certinho, muito provavelmente seu bebê não terá complicações nenhuma. Entretanto, de 20 a 40% das mulheres desenvolvem a Diabetes tipo 2 no futuro.

Como evitar a Diabetes?

Infelizmente, não há métodos ou garantias 100% certeiras na Diabetes Gestacional. O que pode ser feito são bons hábitos de prevenção. Entre eles está preterir alimentos gordurosos e calóricos.

Fique com os ricos em fibras, faça meia hora de exercícios moderados de 3 a 4 vezes por semana e perca os quilos em excesso antes da gravidez. Botando em mente que isso vai lhe trazer resultados benéficos pra você e para o(s) seu(s) filho(s) no futuro, será mais fácil seguir essas dicas, não é mesmo? 😉

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.