Zika Vírus e a microcefalia

12 de julho de 2017

Qual a relação entre o Zika Vírus e a microcefalia?

Mesmo no inverno, algumas regiões do Brasil, principalmente as mais próximas às zonas equatoriais, demonstram temperaturas acima de 30 graus. Esse cenário contribui para permanência do mosquito transmissor.

Segundo o Ministério da Saúde, em 2016, o Aedes Aegypti – o famoso mosquito da Dengue, e agora também do Zika Vírus e Chikungunya – deixou de ser um problema apenas em épocas de verão, e podemos observar incidência em todas as épocas do ano. Assim, é necessário atenção.

Ainda não há consenso médico sobre a relação de infecção (Zika Vírus) com a microcefalia, mas a prevenção continua sendo o melhor remédio.

Hoje, Mama traz 5 fatos sobre a relação de Zika Vírus e microcefalia:

      1. Especula-se o risco de poder causar má formação congênita.

Ainda não é 100% comprovado, mas alguns especialistas indicam que o Zika pode gerar uma má formação congênita no cérebro da criança infectada durante o 1º trimestre de gestação.

      2. Os sintomas podem não aparecer.

O Zika Vírus pode não apresentar sintomas. Por isso, frequente suas consultas regularmente durante o pré-natal e atente-se aos exames.

      3. E se aparecerem, podem ser sutis.

Os sintomas (se aparecerem) são sutis. Geralmente se revelam como sintomas genéricos, que muitas vezes surgem em outras doenças, como gripes e resfriados. Dores nas articulações, olhos e músculos, fadiga, perda de apetite, calafrios, dores de cabeça, entre outros.

      4. Existem hipóteses que infecções no primeiro trimestre de gravidez podem ser mais sérias.

Estudos realizados na Paraíba pelo Ministério da Saúde em conjunto do Centro de Controle e Prevenção de Doenças Transmissíveis dos Estados Unidos,  apontam que o maior risco para os bebês é quando a mãe é infectada no primeiro trimestre de gravidez, mas pesquisas recentes levantaram relatos que é possível a contaminação mesmo após o primeiro trimestre, como relata Marcos Pivetta em seu artigo à Fundação de Amparo a Pesquisa de São Paulo (FAPESP):

“[…]A placenta humana é mais sensível à infecção pelo vírus nos três primeiros meses de gravidez. Nessa fase, a placenta (que carrega o material genético do feto) ainda não apresenta todas a defesas imunológicas e produz proteínas que estimulam a adesão e a entrada do agente infeccioso nas células do bebê em formação.[…]”

A matéria completa pode ser lida aqui.

      5. Os pais também podem transmitir para os filhos

Uma pesquisa feita no início de 2017 também, pelos CDC dos Estados Unidos indica que o pai também pode ser transmissor de Zika Vírus, pois a infecção se aloja no sémen.

Quer mais dicas e informações sobre saúde gestacional e de seu filho? Curta nossa página nas redes sociais e acompanhe nossos artigos diariamente.

Até a próxima!

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.