Sapinho: O que é, como surge e quais cuidados tomar?

11 de março de 2019

O nome científico é monilíase. Problema muito comum em bebês nos primeiros meses de vida, o sapinho é uma infecção pelo fungo chamado Candida albicans, o mesmo da candidíase. Ele se manifesta com manchas e placas brancas na boca do bebê, pode se espalhar para garganta, amígdalas e esôfago e pode estar presente também no peito da mulher que amamenta e em assaduras na criança.

 

Quais são as causas?

 

Nosso organismo hospeda uma série de fungos e bactérias, inclusive o fungo que causa o sapinho. Em condições normais, isso não é problema, mas quando há um desequilíbrio, seja por estresse ou baixa resistência, essa presença se transforma em infecção. O sapinho se aproveita, portanto, de uma situação de prejuízo imunológico e dá as caras.

Um dos principais causadores desse desequilíbrio são os antibióticos, seja usados pelo bebê ou pela mãe, no caso de criança que mama no peito. Os antibióticos matam as bactérias “boas” que controlam a população de fungos e aí o sapinho aparece.

Como esse fungo gosta de lugares úmidos, ele costuma aparecer também em bicos de mamadeira ou chupetas não higienizados corretamente e até mesmo fraldas – a pouca ventilação cria um ambiente propício para a proliferação do microorganismo.

E enquanto a criança usar mamadeiras, chupetas e fraldas, há o risco da infecção aparecer. Mas os bebês nos primeiros meses de vida estão mais sujeitos pelo fato de ainda não terem o sistema imunológico totalmente desenvolvido. Além disso, os pequenos têm o hábito de botar tudo o que veem pela frente na boca, um comportamento de risco quando o assunto é sapinho.

 

O que fazer?

 

O sapinho não traz riscos mais graves ao bebê, mas pode ser incômodo e dolorido. Então, se as manchinhas brancas aparecerem e parecerem incomodar, e se o bebê chora logo que começa a sugar, procure atendimento médico, para o diagnóstico e a recomendação correta de tratamento.

 

Quais cuidados para tentar evitar?

 

O ideal é administrar antibióticos apenas quando estritamente necessário, além de limpar e esterilizar mamadeiras, chupetas e outros utensílios que o bebê eventualmente use. Para as mães que amamentam, é recomendado manter as mamas sempre limpas e secas, sem resíduos de leite, evitando o uso constante de protetores de seio ou de conchas. Arejar o peito ajuda a evitar infecções.

*Com informações do Babycenter

Tags

Tags:

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.