Febre! E agora?

14 de novembro de 2018

A febre é uma indicação de que o organismo está combatendo algum tipo de infecção. A elevação da temperatura faz parte do processo natural de combate à infecção e ela, em si, não é necessariamente prejudicial ao bebê.

Apesar de ser um processo natural e comum, que pode se repetir muitas vezes na vida da criança, a febre sempre deixa os pais preocupados e em alerta.  Ela acontece quando a temperatura está acima de 37,5°C, mas nem sempre é sinal de doença, pois pode ser provocada pelo calor, excesso de roupa, nascimento dos dentes ou até mesmo uma reação à vacina.

Quando a febre acontece devido a uma infecção com vírus, fungos ou bactérias, o mais comum é ela surgir rápido e alta e não ceder com medidas simples como o banho morno, por exemplo, sendo necessário o uso de medicamentos.


Como distinguir uma febre sem gravidade de uma mais grave?

Além da temperatura, é ainda mais importante considerar o comportamento e a idade da criança. Se ela estiver com febre de até 38 graus, mas estiver comendo bem, brincando e tranquila, há menos razão de preocupação que no caso de uma criança com febre de 37,8 graus junto com choro inconsolável ou prostração.

Para bebês acima de 3 meses, a orientação é observar por 48 horas se ele tiver febre, e procurar o médico depois disso. Mas busque ajuda imediatamente se ele estiver prostrado demais, ou com dificuldade de respirar. E no caso de febres acima de 39 graus, é melhor falar com o pediatra mesmo antes das 48 horas.

E mais: se isso estiver causando muita preocupação, vale a pena procurar o pediatra de qualquer jeito, para se tranquilizar. Só evite levar a criança sem necessidade ao pronto-socorro, para não expô-la a outros vírus e bactérias num momento em que o organismo dela já está um pouco fragilizado.


Quando ir ao médico imediatamente?

É recomendado ir ao hospital, pronto-socorro ou consultar o pediatra:

– Se o bebê tem menos de 3 meses de vida;
– A febre passa de 38ºC e a temperatura chega rapidamente a 39,5° C, indicando uma possibilidade de infecção bacteriana;
– Houver perda do apetite, havendo recusa da mamadeira, se o bebê dormir muito e quando acordado, mostra sinais de irritação intensa e não habitual, o que pode indicar uma infecção grave;
– Manchas ou pintinhas na pele;
– Surgirem outros sintomas como o bebê estar sempre choramingando ou gemendo;
– O bebê chora muito ou fica muito tempo parado, sem nenhuma reação aparente;
– Se houver sinais de que o bebê está com dificuldade para respirar;
– Se não for possível alimentar o bebê por mais de 3 refeições;
– Se houver sinais de desidratação;
– O bebê ficar muito apático e não conseguir ficar de pé ou caminhar;
– Se o bebê não conseguir dormir por mais de 2 horas, acordando várias vezes durante o dia ou noite, porque é esperado que ele durma mais, devido a febre.

Remédios

Os remédios para baixar a febre só devem ser usados sob indicação do médico ou do pediatra e geralmente são indicados antitérmicos como Acetominofeno, Dipirona, Ibuprofeno de 4 em 4 horas, por exemplo. A dose varia de acordo com o peso da criança, por isso deve-se estar atento a quantidade certa.

O médico também pode receitar algum antibiótico em caso de infecção causada por determinados vírus ou bactérias.

Normalmente só é indicado dar cada dose após as 4 horas e se a criança tiver mais 37,5°C de febre, porque a febre mais baixa que isso também é um mecanismo de defesa do corpo, no combate à vírus e bactérias e por isso, não se deve dar remédio quando a febre está mais baixa que isso.

Sempre fale com o pediatra antes de dar qualquer remédio pela primeira vez. O melhor é, na consulta de rotina, já perguntar o que fazer no caso de febre.

Atenção!

Durante a febre, mantenha seu filho vestido com as roupas adequadas para a temperatura ambiente, nem agasalhado demais nem de menos.

Capriche na ingestão de líquidos — seja leite materno, fórmula de leite em pó ou, para bebês mais velhos, sopas leves e suco de fruta.

Uma criança com febre pode ficar desidratada só pela transpiração, mesmo que não esteja com diarreia ou vômitos. Quando a criança está desidratada, o uso de antitérmicos é menos eficaz e pode ser até mais tóxico. Portanto, use e abuse dos líquidos, nem que precise dar de colherinha.

Você também pode dar um banho morno. Se tiver usado um antitérmico, pode dar o banho cerca de 40 minutos depois. Mas o banho não é imprescindível — só dê se você achar que seu filho vai se sentir melhor. É melhor baixar a temperatura aos poucos que muito rápido. O banho precisa ser confortável para a criança, e nunca coloque nada na água da banheira.

Também não use álcool para baixar a febre.


*Com informações do BabyCenter

 

Tags

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.