Engasgo: as principais causas e o que fazer

12 de novembro de 2018

Bebês e crianças podem engasgar com objetos levados à boca ou mesmo com a alimentação normal. O engasgo ocorre quando a criança engole algo grande o suficiente para bloquear suas vias aéreas, ficando difícil ou impossível respirar. O diâmetro das vias aéreas de uma criança é aproximadamente do mesmo tamanho que o dedo dela, por isso, é fácil objetos se tornarem extremamente perigosos.


Quais as principais causas de engasgo em crianças?

Segundo os especialistas, os principais causadores de episódios de engasgo são:

Feijão, arroz e pedaços de fruta, como maçã (mas isso não quer dizer que você não deva dar esses alimentos ao bebê — apenas mantenha-se atenta enquanto ele come);
Peças pequenas que se desprendem de brinquedos;
Bolinhas de gude;
Pilhas, baterias e ímãs (especialmente perigosos por poder causar intoxicação e perfuração intestinal);
Tampas de caneta;
Moedas e botões;
Parafusos;
Balas.


Como identificar?

É importante saber identificar um episódio de engasgo para tomar as providências adequadas. A obstrução total das vias aéreas pode acontecer, por exemplo, quando a criança está se alimentando e, de repente, mostra-se incapaz de respirar. No caso de um bebê, algo errado está acontecendo se ele acabou de ser amamentado e não consegue respirar.

Nesses casos, é possível que você note: Pele azulada ou arroxeada; Esforço respiratório exagerado; Movimento de entrada de ar indetectável ou ausente; Eventual perda de consciência. A criança também pode fazer ruídos estranhos ou abrir a boca sem emitir nenhum som.

Se a criança estiver tossindo ou com ânsia de vômito, é boa notícia! Isso significa que as vias aéreas não estão totalmente bloqueadas, portanto, é necessário deixa-la tossir, método mais eficaz de desimpedir as vias aéreas.

Quando a criança não consegue chorar, tossir ou falar, a situação é mais grave e indica que as vias aéreas estão totalmente fechadas e é preciso ajudá-la a voltar a respirar.

O que fazer?

O ideal é que, antes que esse tipo de acidente aconteça, você já saiba o que fazer para agir com mais segurança e confiança. O pediatra, durante uma consulta de rotina, pode demonstrar as manobras necessárias.
A primeira conduta é pedir para alguém acionar o serviço médico especializado — Samu (192) ou Corpo de Bombeiros (193) – ou providenciar transporte até o pronto-socorro mais próximo. Se não houver mais ninguém por perto, tente desengasgar por dois minutos e então peça ajuda.


Faça as seguintes manobras para desengasgar um bebê:

Segurando o bebê inclinado para a frente, dê até 5 palmadas nas costas dele, usando sua mão aberta. A posição da cabeça levemente inclinada para a frente facilita o processo de desengasgo e evita que a criança broncoaspire caso vomite durante as manobras.

Vire o bebê de barriga para cima, segurando firmemente entre suas mãos e braços, e faça duas compressões torácicas.

A compressão é similar à da técnica de reanimação cardiopulmonar: comprima o centro do peito com 2 dedos — indicador e médio –, logo abaixo da linha entre os mamilos. Verifique se o bebê vomitou ou expeliu o objeto que causou o engasgo. Em caso negativo, repita a operação. Assim que o bebê desengasgar, a primeira reação será chorar.

Como desengasgar crianças de mais de 1 ano:

No caso de engasgo de crianças com mais de 1 ano de idade, você pode realizar a manobra de Heimlich.

Posicione-se atrás da criança, abraçando-a em torno do abdômen. (Pode ser que você precise ficar de joelhos atrás da criança para fazer a manobra);

Segure o punho de sua outra mão e faça compressões contra o abdômen, entre o fim do osso esterno e o umbigo na direção para cima, por quatro vezes. As compressões devem ser vigorosas mas não violentas, para não machucar a criança;

Mesmo que a criança se desengasgue e pareça bem, se ela tiver perdido a consciência, mesmo que rapidamente, leve-a ao hospital no mesmo dia;

Caso a criança piore e deixe de respirar, grite imediatamente para alguém chamar o serviço médico especializado, ligando para 192 (Samu) ou 193 (Corpo de Bombeiros), ou providenciar um transporte até o hospital. Enquanto isso, comece a fazer compressões torácicas nas manobras de ressuscitação.


Importante!

Não tente retirar o eventual objeto com suas mãos, ao menos que você consiga vê-lo ao abrir a boca da criança. O risco é acabar empurrando ainda mais o objeto e piorar a situação.

Em alguns casos de objeto engolido, ele não obstrui totalmente as vias aéreas, mas ainda assim é preciso levar a criança ao hospital para que ela seja monitorada e para que, eventualmente, o objeto seja retirado com um endoscópio, sob anestesia.

E mais: se a criança parecer engasgada sem estar comendo e nem ter colocado nada de diferente na boca, ela pode ter bronco aspirado algum objeto ou líquido ou pode estar com uma reação alérgica a algum alimento ou picada de inseto, por exemplo. Leve-a ao hospital imediatamente.


Atenção!

Engasgo é assunto sério, previna! O ideal é garantir que objetos pequenos sejam mantidos fora do alcance da criança. Além disso, práticas alimentares seguras, como acompanhar a criança enquanto ela come, por exemplo, não só proporcionam uma oportunidade de ligação, mas também garantem que ela mastigue os alimentos adequadamente.

*Com informações do portal BabyCenter.

Tags

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.