Introdução alimentar

9 de maio de 2016

Vários órgãos importantes sobre a saúde, como o Ministério da Saúde e a própria Organização Mundial da Saúde (OMS), ligada a ONU, são taxativos: até os 6 meses de idade uma criança precisa somente do leite materno. No entanto, depois desse tempo, a amamentação sozinha não dá conta das necessidades do bebê e precisa iniciar a introdução alimentar. Ele precisa de outras fontes de ferro e vitaminas, por exemplo. O ovo cozido é uma das primeiras novidades que você pode introduzir na nova dieta porque se deixar isso para depois, corre o risco da criança desenvolver alergia. Só verifique antes se existe algum caso de alergia na família.

Além do ovo, uma das primeiras coisas a serem introduzidas são as frutas, sempre em forma de papinha. Você pode, por exemplo, espremer o suco da laranja, coá-lo e colocar para bater no liquidificador somente com a polpa fresca de um mamão papaia. Cenoura e acerola também são opções para a mistura com o suco de laranja. Não acrescente mel ou açúcar, pois as frutas já são doces. Fonte de potássio, banana também é uma opção interessante. Descasque-a, amasse-a com um garfo e sirva com uma colherzinha de plástico ou silicone. Banana-maçã prende um pouco o intestino sendo boa em casos de diarreias. Já as nanicas são boas contra o problema oposto: prisão de ventre.

O começo da introdução alimentar vai ser mesmo de experiências. Teste uma papinha nova de frutas a cada 3 dias para acostumar o bebê com os novos sabores. Fique atenta às reações dele e nunca insista se ele não quiser mais. Você pode dar uma papinha de frutas após a amamentação matutina e outra após a noturna. Vá fazendo o revezamento dos sabores naquele intervalo e a partir da segunda quinzena do primeiro mês de novas introduções, experimente dar a chamada “papa principal” após o aleitamento da hora do almoço. Nessa papinha pode conter cereais, leguminosas, legumes e derivados de animais como carnes e ovos. Cada um desses citados pertence a um grupo alimentar diferente. Cada papinha principal pode conter até um alimento de cada grupo.

Para facilitar, vamos lista-los com exemplos de alimentos:

• Cereais ou tubérculos: Tipos de batatas, farinhas, arroz, mandioca, macarrão, inhame, aipim, entre outros.

• Leguminosas: Tipos de feijões, ervilha, soja, grão-de-bico e lentilha são exemplos.

• Legumes e Verduras: Folhas verdes, beterraba e cenoura, por exemplo.
Origem Animal: Carnes brancas, bovinas e ovos.

A partir do sétimo mês de vida, você já pode oferecer a segunda papa principal no período noturno. Pode ser que ele não goste e recuse alguma papa que você oferecer. Tudo bem. Não o obrigue a comer naquele momento, então. Espere alguns dias e volte a oferecer aquele sabor. Respeite o tempo do bebê e observe tudo: diarreias, reações alérgicas, erupções cutâneas, enfim, tudo! Os horários também não são rígidos. Quem os faz já é a criança. Depois que a criança completar um ano, alimentos sólidos e pequenininhos podem começar a ser dados para ela treinar a mastigação. Se restar qualquer dúvida, é sempre válida a procura de um especialista.

2 comentários
  • Vanessa Queiroz

    Oi, meu nome é Vanessa!
    Meu bebe tem 7 meses e não quer comer nada a noite, até o 6° mês eu só dei a mama, mas agora ele não quer pegar mamadeira.. O que faço pra ele a noite? Uma ideia, por favor!

    • veronica

      Olá, Vanessa!
      É importante respeitar tanto a fome quanto a saciedade do bebê. Se ele está recusando apenas nesse período (noite), provavelmente é porque não está sentindo fome.
      Também é bastante normal ele rejeitar a mamadeira, afinal, ele conhece algo muito melhor, que é o peito. O seio materno não apenas alimenta o bebê, mas também o mantém aquecido e protegido. Os bebês se sentem seguros quando estão mamando e por isso é comum que eles rejeitem mamadeira.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.